Business

Lausanne, onde as Olimpíadas nunca terminam

Todo ano é um ano de Olimpíadas em Lausanne, Suíça, uma cidade de edifícios de pedra, telhados de telha e praças históricas de igrejas empoleiradas em uma encosta com vista para o Lago Genebra. Como sede do Comitê Olímpico Internacional e do Museu Olímpicoa cidade está envolvida o ano todo na defesa dos Jogos, muito antes e muito depois das cerimônias oficiais acontecerem. (Este ano, as Olimpíadas de Verão e Paralimpíadas, principalmente em Paris e arredores, acontecem de 26 de julho a 8 de setembro.)

Mas as Olimpíadas são apenas uma faceta de Lausanne. No centro da cidade, os visitantes amantes da cultura encontrarão uma novo distrito de artes que contém um trio de espaços expositivos de vanguarda, enquanto o Fundação Hermitage O museu está comemorando seu 40º aniversário. Adicione novos restaurantes estilosos, butiques de chocolate e confeitarias, e você terá um centro culinário digno de medalhas também.

Muito antes da fama mundial de medalhistas de ouro como a ginasta romena Nadia Comaneci e o velocista jamaicano Usain Bolt, o antigo corredor grego Astylos de Crotona era a maior celebridade olímpica, graças às vitórias em três edições consecutivas dos Jogos, de 488 a 480 a.C. Ainda mais impressionante, ele fez isso nu e descalço (como era costume dos corredores na época).

A dele é apenas uma das histórias notáveis ​​contadas no Museu Olímpico (ingressos, 20 francos suíços, ou cerca de US$ 22). De vasos antigos a telas de toque interativas, as exibições traçam a história da competição esportiva mais famosa do mundo, começando com suas origens helênicas e terminando com os Jogos de Paris deste ano, o tema de uma exposição especial, “Paris Olympique.”

Ao longo do caminho, exibições mergulham nos pontos mais sutis da arquitetura do estádio, modas uniformes, apresentações da cerimônia de abertura, tecnologia antidoping e até mesmo cardápios de cafeterias nas vilas olímpicas. Equipamentos e trajes pertencentes a atletas olímpicos famosos também estão em exibição, incluindo um tênis de corrida feito à mão usado pelo atleta americano Jesse Owens nos notórios Jogos de Berlim de 1936 na Alemanha nazista. (O sapateiro foi Adi Dassler, que mais tarde criou a marca Adidas.)

Uma pista ao ar livre e simuladores interativos internos permitem que você teste suas próprias habilidades em tudo, desde corrida de velocidade até esqui slalom. E se você estiver em Lausanne durante as Olimpíadas, uma TV gigante ao ar livre no terreno do museu transmitirá os Jogos ao vivo de Paris.

Também no recinto do museu, a entrada é gratuita Parque Olímpico fica aberto o ano todo. A vasta extensão verde oferece vistas espetaculares do Lago Genebra e é pontilhada com 43 esculturas e instalações com temas esportivos de artistas internacionais como Fernando Botero e Alexander Calder. Entre as obras está uma estátua do Barão Pierre de Coubertin — um aristocrata francês que foi fundamental para reviver as Olimpíadas na era moderna.

Ao lado da estação de trem, o novo distrito cultural de Lausanne, Plataforma 10celebra o 100º aniversário do Manifesto Surrealista — uma série de publicações de 1924 cujos autores incluem o artista francês André Breton — com diversas exposições dedicadas a esse celebrado movimento literário e artístico.

As obras pioneiras de Breton e seus pares constituem o núcleo do “Surréalisme. Le Grand Jeu”, uma extensa exposição de obras surrealistas, históricas e contemporâneas, no Museu Cantonal de Belas Artes (até 25 de agosto). As obras são tão estranhas e oníricas quanto se poderia esperar. Uma gaiola escultural cheia de cubos de açúcar, chamada “Why Not Sneeze, Rose Sélavy?” (Marcel Duchamp, 1921). Uma tela brilhante representando elefantes cujos reflexos se tornam cisnes em um lago místico (“Cygnes Se Reflétant en Éléphants”, de Salvador Dalí, 1937). Uma fotografia de uma mulher com furos de som instrumental pintados em suas costas (“Le Violon d’Ingres”, de Man Ray, 1924). E muito mais.

Man Ray é o tema de uma exposição individual (“Man Ray: Liberating Photography”, até 4 de agosto) na praça do Foto Elysée museu, que ocupa um cubo branco irregular que lembra um iceberg futurista. Seus retratos estilizados — Picasso em seu estúdio, Gertrude Stein em um smoking, Igor Stravinsky parecendo perplexo — capturam a efervescência cultural da Paris dos anos 1920, enquanto filmes alucinógenos de vanguarda como “Return to Reason” (1923) representam visões inovadoras para o então novo meio.

No mesmo edifício, o MUDAC O museu de design sedia “Objects of Desire”, uma exposição de móveis e objetos domésticos inspirados pelo surrealismo (até 4 de agosto): um sofá em formato de lábios (pelo Studio 65), um cavalo de plástico preto em tamanho real com um abajur na cabeça (pelo Moooi), um bule de chá em formato de crânio de porco (pelo Studio Wieki Somers). Um ingresso para entrada em todos os três museus custa 25 francos.

Outra mostra comemorativa — celebrando o 150º aniversário da primeira exposição impressionista, em 1874 — enche os aristocráticos cômodos do século XIX da Fundação Hermitage, uma linda mansão com jardins bem cuidados e vistas imponentes do Lago Genebra. Intitulada “Obras-primas do Museu Langmatt” (28 de junho a 11 de novembro), a exposição recompensa os visitantes com cerca de 60 pinturas — paisagens de Renoir, nus de Degas e obras de Matisse, Monet, Cézanne, Mary Cassatt e outros — emprestadas do Langmatt, em Baden, Suíça (atualmente fechado para reformas), que é conhecido por sua excelente coleção de obras impressionistas. Ingresso 22 francos.

Já é o lar do Noz Chocolatier boutique e a Hotel Swiss Chocolate por FassbindRue Marterey adicionou no ano passado Acarréuma padaria e loja de chocolates onde o chef pasteleiro Arnaud Dousse, um veterano dos melhores hotéis suíços, faz croissants finamente trabalhados (1,90 francos), pains au chocolat, bolos de limão e outros produtos assados, junto com uma infinidade de chocolates. Abrindo quase todos os dias às 6h30, a loja é um local ideal para um café da manhã para viagem.

O ano passado também foi uma safra excelente para restaurantes. Rompendo com uma tradição de longa data, o imponente refeitório privado em estilo escandinavo do parlamento regional, La Buvette Vaudoiseaberto ao público, permitindo que pessoas que não são autoridades eleitas saboreiem os pratos suíços tradicionais do restaurante, desde seu premiado folhado de queijo crocante (conhecido como Malakoff; 9 francos) até grossas fatias de truta grelhada em um molho cremoso temperado com vinho branco Chasselas (25 francos). O restaurante, que só serve almoço, adquire a maioria de seus ingredientes da região vizinha de Vaud e serve vários vinhos produzidos em propriedades de legisladores.

Os últimos pontos de jantar são igualmente dedicados à origem suíça. Decorado em um estilo vintage eclético e sofisticado, O apartamento parece a casa ampla de um amigo designer divertido, com um armário — sim, literalmente um armário — cheio de garrafas de vinho. (Os hóspedes vasculham o interior para escolher seu vinho.) O menu do chef Luis Zuzarte, notável por sua longa lista de fornecedores locais, pode incluir queijo Sbrinz assado crocante com maionese de alho e picles, ou carne de porco desfiada suculenta e defumada sobre feno. Quatro pratos (somente terça e quarta) custam 85 francos; sete pratos (por noite) custam 145 francos.

Os sabores japoneses impregnam os pratos do Jajafaum restaurante arejado e minimalista de um ano de idade com uma vibração descontraída e chefs tatuados. Álbuns de vinil da velha escola fornecem a trilha sonora enquanto jovens garçons entregam sedutoras misturas japonesas e suíças que recentemente incluíram creme batido com infusão de girassol coberto com discos de nabo de Tóquio e karasumi (ovas de peixe seco), bem como pedaços crus de peixe-cabra vermelho em maionese aromatizada com saquê feito na Suíça. Os menus fixos custam 75 francos (quatro pratos) e 110 francos (sete pratos).


Siga o New York Times Travel sobre Instagram e inscreva-se para receber nosso boletim semanal Travel Dispatch para obter dicas de especialistas sobre como viajar de forma mais inteligente e inspiração para suas próximas férias. Sonhando com uma futura escapada ou apenas viajando na poltrona? Confira nosso 52 lugares para ir em 2024.

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button