Tech

Investidores perseguem startups de wealthtech na Índia à medida que a classe abastada cresce

Os investidores estão apostando em startups indianas de tecnologia de ponta, à medida que uma classe média crescente busca diversificar investimentos e as startups desafiam os consultores financeiros tradicionais por clientes de alto patrimônio líquido.

A Premji Invest está em estágios avançados de negociações para liderar uma rodada de financiamento de US$ 30 milhões a US$ 40 milhões na Dezerv, um aplicativo que oferece um conjunto de soluções de investimento para os ricos da Índia, disseram três fontes familiarizadas com o assunto à TechCrunch. As negociações atuais avaliam a Dezerv em cerca de US$ 170 milhões pré-dinheiro, mais que dobrando sua avaliação desde sua última rodada de financiamento.

A Lightspeed Venture está em negociações avançadas para liderar uma rodada de investimento maior que US$ 20 milhões na Centricity, uma plataforma digital de gestão de patrimônio, disseram duas fontes. Em outubro, a Peak XV concordou em investir cerca de US$ 35 milhões na startup de gestão de patrimônio e ativos Neo.

Os segmentos de alto patrimônio líquido e ultra-alto patrimônio líquido estão crescendo na Índia, levando algumas empresas de gestão de patrimônio a expandir agressivamente suas redes de gerentes de relacionamento para capturar esse mercado. Apenas cerca de 50-55% do mercado de gestão de patrimônio da Índia está atualmente sob gestão profissional, de acordo com analistas.

Diferentes segmentos da Índia afluente. Dados: McKinsey, estimativas 360 ONE WAM, Jefferies

Uma parcela significativa desses serviços continua sendo orientada por relacionamento e demanda uma abordagem personalizada. Os investidores estão apostando que as startups podem cortar os intermediários, oferecer recomendações mais personalizadas e orientadas por dados aos clientes e também atender a uma classe do mercado atualmente negligenciada pelos titulares.

A Scripbox, apoiada pela Accel, teve uma reviravolta em seus negócios nos últimos dois anos, brincou um analista da indústria. Ela se tornou lucrativa, está “bem capitalizada” e administra ativos de mais de US$ 2 bilhões, disse o fundador e presidente-executivo da Scripbox, Atul Shinghal, ao TechCrunch.

A aposta mais ampla da Índia

A Índia também está vivenciando um aumento na financeirização de sua economia, com crescimento significativo testemunhado em setores como seguros e fundos mútuos. O número de contas de fundos mútuos aumentou 3,5x desde 2015, com ganhos exponenciais em contas sistemáticas de baixo valor nos últimos três anos, de acordo com a Macquarie.

E ainda há muito espaço para crescimento: a proporção de AUM de fundos mútuos para PIB da Índia está em 15% contra uma média global de 75%, de acordo com a Macquarie. “À medida que a penetração melhora, acreditamos que a indústria de fundos mútuos pode continuar a crescer confortavelmente a 20% no futuro previsível”, escreveram em uma nota. Esse otimismo é ecoado em projeções de crescimento de longo prazo de grandes instituições financeiras. O UBS estima um CAGR de 22-25% em AUM ativo ao longo do ano fiscal de 24-27E para os principais participantes no espaço de gestão de patrimônio.

Várias startups também estão fazendo incursões ajudando mais indianos a investir em fundos mútuos, ações e ouro. Jar, apoiado pela Tiger Globalpermite clientes para criar o hábito de economizar. A startup, que tem como alvo um mercado de ouro indiano de US$ 100 bilhões, já vê seu cliente médio fazer 22 investimentos por mês, disse Nishchay AG, seu cofundador, ao TechCrunch.

A população afluente da Índia está pronta para um crescimento explosivo. O número de indivíduos com renda anual superior a US$ 10.000 deve mais que dobrar nos próximos 5 anos, de acordo com o UBS, fornecendo um forte vento favorável para plataformas de serviços financeiros que visam esse grupo demográfico. A indústria tomou nota.

Os fluxos médios mensais de varejo por meio de planos de investimento sistemáticos cresceram para recordes máximos em um CAGR de ~20% nos últimos oito anos. Imagem: Goldman Sachs

360 One WAM, o maior gestor de patrimônio da Índia focado em indivíduos com patrimônio líquido ultra-alto, concordou em adquirir popular aplicativo indiano de investimento em fundos mútuos ET Money por cerca de US$ 44 milhões no mês passado.

CRÉDITO concordou em adquirir a plataforma de investimento em fundos mútuos Kuvera no início deste ano. Smallcase, uma startup que CRED avaliado para uma aquisição anterior, mas aprovadoestá em negociações para levantar US$ 40 milhões, com uma avaliação de cerca de US$ 240 milhões, de acordo com três pessoas familiarizadas com o assunto.

A Eight Roads, uma empresa de capital de risco afiliada à Fidelity, está avaliando um investimento na Asset Plus, outra plataforma de fundos mútuos, de acordo com duas pessoas familiarizadas com o assunto.

E mais competição está a caminho.

A Reliance, a empresa mais valiosa da Índia, fez uma parceria com a BlackRock, a maior gestora de ativos do mundo, no ano passado para formar um empreendimento conjunto de gestão de ativos na Índia. A unidade financeira da BlackRock e da Reliance está mirando um investimento inicial de US$ 150 milhões cada no novo empreendimento 50/50, que buscará oferecer acesso habilitado por tecnologia a soluções de investimento “acessíveis e inovadoras” para milhões de investidores na Índia, disseram as duas no ano passado.

Em abril, eles anunciaram outra joint venture que buscará oferecer gestão de patrimônio e corretagem de negócios na Índia.

Source

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button