Business

EUA criam cadeias de suprimentos globais de alta tecnologia para reduzir riscos vinculados à China

Se o governo Biden conseguisse o que quer, muito mais chips eletrônicos seriam produzidos em fábricas, digamos, no Texas ou no Arizona.

Eles seriam então enviados para países parceiros, como Costa Rica, Vietnã ou Quênia, para montagem final e enviados ao redor do mundo para operar tudo, de geladeiras a supercomputadores.

Esses lugares podem não ser os primeiros que vêm à mente quando as pessoas pensam em semicondutores. Mas autoridades do governo estão tentando transformar a cadeia de suprimentos de chips do mundo e estão negociando intensamente para fazer isso.

Os elementos centrais do plano incluem fazer com que empresas estrangeiras invistam na fabricação de chips nos Estados Unidos e encontrar outros países para instalar fábricas para terminar o trabalho. Autoridades e pesquisadores em Washington chamam isso de parte da nova “diplomacia do chip”.

O governo Biden argumenta que produzir mais cérebros minúsculos de dispositivos eletrônicos nos Estados Unidos ajudará a tornar o país mais próspero e seguro. O presidente Biden se gabou de seus esforços em sua entrevista na sexta-feira com a ABC News, durante a qual ele disse que havia feito a Coreia do Sul investir bilhões de dólares na fabricação de chips nos Estados Unidos.

Mas uma parte fundamental da estratégia está se desenvolvendo fora das fronteiras dos Estados Unidos, onde o governo está tentando trabalhar com parceiros para garantir que os investimentos nos Estados Unidos sejam mais duradouros.

Se o esforço nascente progredir, pode ajudar a administração a atingir algumas de suas amplas metas estratégicas. Ela quer amenizar as preocupações de segurança envolvendo a China, que está aumentando sua fabricação de chips enquanto faz ameaças contra Taiwan, um centro global de tecnologia de chips. E quer diminuir os riscos de interrupções na cadeia de suprimentos de chips — riscos que se tornaram evidentes durante a pandemia do coronavírus e a guerra na Ucrânia, que colocaram o transporte e a fabricação globais em turbulência.

“O foco tem sido fazer o nosso melhor para expandir a capacidade num conjunto diversificado de países para tornar essas cadeias de fornecimento globais mais resilientes”, disse Ramin Toloui, um professor de Stanford que recentemente serviu como secretário adjunto do Gabinete de Assuntos Económicos e Empresariais do Departamento de Estado, que está no vanguarda dos esforços diplomáticos para criar novas cadeias de suprimentos.

A administração pretende fazer isso não apenas para chips, mas também para tecnologia de energia verde, como baterias de veículos elétricos, painéis solares e turbinas eólicas. A China é de longe o maior player nessas indústrias.

Biden e seus assessores dizem que o domínio das empresas chinesas é uma questão de segurança nacional e também um problema de direitos humanos, já que parte da fabricação ocorre em Xinjiang, uma região da China onde autoridades forçam membros de alguns grupos étnicos muçulmanos a trabalhar em fábricas.

Ao longo de três anos de governo Biden, os Estados Unidos atraiu US$ 395 bilhões em investimentos estrangeiros na fabricação de semicondutores e US$ 405 bilhões para criar tecnologia verde e gerar energia limpa, disse o Sr. Toloui.

Muitas das empresas que investem nesse tipo de fabricação nos Estados Unidos estão sediadas em países asiáticos conhecidos por suas indústrias de tecnologia — Japão, Coreia do Sul e Taiwan, por exemplo — e na Europa. Uma delas é a SK Hynix, uma fabricante de chips sul-coreana que está construindo uma fábrica de US$ 3,8 bilhões em Indiana. O Departamento de Estado diz que o projeto é o maior investimento já feito naquele estado e que tem o potencial de trazer mais de 1.000 empregos para a região.

O Secretário de Estado Antony J. Blinken mencionou esse projeto em um discurso no mês passado em uma conferência em Maryland com o objetivo de encorajar o investimento estrangeiro nos Estados Unidos. E ele ressaltou como esperava que a legislação promulgada pelo Sr. Biden atraísse investimento estrangeiro para a manufatura de alta tecnologia dos EUA ao “modernizar nossas estradas, nossas ferrovias, nossa banda larga, nossa rede elétrica”.

Os esforços políticos, acrescentou, visam “fortalecer e diversificar as cadeias de fornecimento, turbinando a produção nacional, estimulando as principais indústrias do futuro, desde semicondutores até energia limpa”.

O Departamento de Comércio também desempenhou um papel importante no esforço para fortalecer a cadeia de suprimentos de chips e está desembolsando US$ 50 bilhões para empresas e organizações americanas para pesquisar, desenvolver e fabricar chips.

Gina Raimondo, secretária de Comércio, liderou um estudo aprofundado das cadeias globais de fornecimento de chips para identificar vulnerabilidades e trabalhou com governos estrangeiros para discutir oportunidades de investimentos adicionais no exterior.

O tópico foi o foco da viagem da Sra. Raimondo à Costa Rica na primavera passada, quando ela se encontrou com autoridades locais e executivos da Intel, que administra uma fábrica lá. (O Sr. Toloui falou em uma conferência de fabricação de semicondutores Costa Rica em janeiro.) Ela também discutiu a diversificação da cadeia de fornecimento de semicondutores em viagens ao Panamá e à Tailândia.

Mas retrabalhar as cadeias de suprimentos globais para que sejam menos dependentes do Leste Asiático será um desafio. As fábricas de chips do Leste Asiático oferecem mais tecnologia de ponta, um grupo maior de engenheiros talentosos e custos mais baixos do que as fábricas americanas são projetadas.

Taiwan produz mais de 60% dos chips do mundo e quase todos os chips mais avançados, que são usados ​​em computadores, smartphones e outros dispositivos.

Em comparação, a indústria de semicondutores dos EUA pode enfrentar uma escassez de até 90.000 trabalhadores nos próximos anos, de acordo com várias estimativas.

Governos na China, Taiwan, Coreia do Sul e outros lugares também estão subsidiando agressivamente suas próprias indústrias de chips.

Ainda assim, espera-se que bilhões de dólares em novos investimentos dos EUA alterem um pouco as cadeias de suprimentos globais. A participação dos EUA na fabricação global de chips deve aumentar para 14% até 2032, de 10% hoje, de acordo com um relatório de maio da Semiconductor Industry Association e do Boston Consulting Group.

Alguns funcionários do governo se envolveram em uma forma mais coercitiva de diplomacia de chips para impedir que a China desenvolvesse versões da tecnologia americana. Essa abordagem se concentrou em persuadir um punhado de países — Japão e Holanda, em particular — a impedir que empresas vendessem algumas ferramentas de fabricação de chips para a China.

Alan Estevez, que lidera o departamento do Departamento de Comércio responsável pelos controles de exportação, visitou o Japão e a Holanda no mês passado para tentar persuadir os países a impedir que empresas locais vendam certas tecnologias avançadas para a China.

Em contraste, o Sr. Toloui e seus assessores voaram ao redor do mundo para explorar países e empresas que poderiam querer investir na indústria americana e montar fábricas que formariam o ponto final da cadeia de suprimentos. O Sr. Toloui disse que o trabalho de seu bureau era um elemento da recente promulgação de legislação do Sr. Biden para criar mais empregos na indústria nos Estados Unidos, incluindo o ato de infraestrutura e o CHIPS and Science Act.

O ato CHIPS inclui US$ 500 milhões de financiamento anualmente para a administração criar cadeias de suprimentos seguras e proteger a tecnologia de semicondutores. O Departamento de Estado utiliza esse dinheiro para encontrar países para o desenvolvimento da cadeia de suprimentos. Autoridades estão organizando estudos em uma série de países para ver como a infraestrutura e as forças de trabalho podem ser elevadas a certos padrões para garantir a montagem, embalagem e remessa de chips sem problemas.

Os países agora no programa são Costa Rica, Indonésia, México, Panamá, Filipinas e Vietnã. O governo dos EUA está trazendo o Quênia.

O treinamento profissional é uma prioridade na criação desta cadeia de suprimentos, disse o Sr. Toloui. Ele conversou com a Arizona State University sobre ser um parceiro com instituições estrangeiras para desenvolver programas de treinamento. Uma dessas instituições é a Vietnam National University na Cidade de Ho Chi Minh, que ele visitou em maio.

Martijn Rasser, diretor administrativo da Datenna Inc., uma empresa de pesquisa focada na China, disse que essa rede de alianças era uma vantagem estratégica que os Estados Unidos têm sobre a China.

Para os Estados Unidos tentar fazer tudo sozinhos seria muito caro, ele disse. E fazer isso sozinho não reconheceria a realidade de que a tecnologia hoje é muito mais difundida globalmente do que era algumas décadas atrás, com vários países desempenhando papéis importantes na cadeia de fornecimento de chips.

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button