News

Eis o que poderá acontecer depois das eleições nacionais em França

Paris — Eleição os resultados mostram que os eleitores franceses escolheram para dar a uma ampla coalizão de esquerda a maioria dos assentos parlamentares em eleições legislativas cruciais, mantendo a extrema direita longe do poder. No entanto, nenhum partido obteve maioria absoluta, colocando a França em uma situação incerta e sem precedentes.

A aliança centrista do presidente Emmanuel Macron chegou na segunda posição. A extrema direita, liderada pelo partido Rally Nacional de Marine Le Pen, ficou em terceiro — ainda aumentando drasticamente o número de assentos que detém na Assembleia Nacional, a câmara baixa do parlamento da França.

Apoiadores da esquerda se reuniram no centro de Paris na noite de domingo para soltar um suspiro coletivo de alívio quando as pesquisas de boca de urna mostraram que o sonho da extrema direita francesa de tomar o poder foi frustrado. Como relatou a correspondente da CBS News Elaine Cobbe, manifestantes mascarados entraram em confronto com a polícia nas laterais do protesto.

Com os resultados divididos, nenhuma figura clara surgiu até segunda-feira como possível futuro primeiro-ministro.

Presidente francês Macron vota no segundo turno das eleições parlamentares francesas
O presidente francês Emmanuel Macron deposita seu voto ladeado pela primeira-dama francesa Brigitte Macron em uma seção eleitoral, para votar no segundo turno das eleições parlamentares francesas em Le Touquet-Paris-Plage, França, em 7 de julho de 2024.

MOHAMMED BADRA/PISCINA


Macron diz que esperará para decidir seus próximos passos, e ele vai para Washington esta semana para uma cúpula da OTAN. Os novos legisladores podem começar a trabalhar no parlamento na segunda-feira, e sua primeira nova sessão começa em 18 de julho.

Primeiro-ministro oferece renúncia, Macron pede que ele fique

O primeiro-ministro Gabriel Attal ofereceu sua renúncia na segunda-feira, mas Macron pediu que ele permanecesse “temporariamente” como chefe do governo depois que os resultados caóticos das eleições deixaram o governo no limbo. Attal disse que está pronto para permanecer no cargo durante as próximas Olimpíadas de Paris e pelo tempo que for necessário.

O governo de Attal cuidará dos assuntos atuais enquanto aguardam novas negociações políticas.

O gabinete de Macron diz que ele “esperará a nova Assembleia Nacional se organizar” antes de tomar qualquer decisão sobre o novo governo.

Não há um cronograma definido para quando Macron deve nomear um primeiro-ministro, nem uma regra definida de que ele deve escolher alguém do maior partido no parlamento.

O mandato do presidente vai até 2027, e Macron disse que não deixará o cargo antes do fim.

Macron é um presidente enfraquecido, mas continua sendo o presidente

Sem maioria e com poucas possibilidades de implementar seus próprios planos, Macron sai enfraquecido das eleições.

Em linha com a Constituição da França, ele ainda detém alguns poderes sobre política externa, assuntos europeus e defesa, e é responsável por negociar e ratificar tratados internacionais. O presidente também é o comandante-em-chefe das forças armadas do país e detém os códigos nucleares.

Existe a possibilidade de que o novo primeiro-ministro não consiga ou não queira desafiar seriamente os poderes de defesa e política externa de Macron e se concentre, em vez disso, na política interna.

O primeiro-ministro é responsável perante o parlamento, lidera o governo e apresenta projetos de lei.

Resultados das eleições francesas forçarão compromisso e consenso

Três grandes blocos políticos emergiram das eleições — mas nenhum deles está perto da maioria de pelo menos 289 assentos de 577 necessários para formar um governo por conta própria. A Assembleia Nacional é a mais importante das duas casas do parlamento da França. Ela tem a palavra final no processo de elaboração de leis sobre o Senado, que é dominado por conservadores.

Embora não seja incomum em outros países europeus, a França moderna nunca experimentou um parlamento sem partido dominante. Tal situação exige que os legisladores construam consenso entre os partidos para concordar com as posições do governo e a legislação.

A política turbulenta da França e as profundas divisões sobre impostos, imigração e política do Oriente Médio tornam isso especialmente desafiador.

Isso significa que os aliados centristas de Macron não conseguirão implementar suas políticas pró-negócios, incluindo uma promessa de reformar os benefícios de desemprego. Também pode dificultar a aprovação de um orçamento.

Um governo de coalizão? Um governo de especialistas?

Macron pode buscar um acordo com a esquerda moderada para criar um governo conjunto. Tais negociações, se acontecerem, devem ser muito difíceis porque a França não tem tradição desse tipo de arranjo.

O acordo poderia assumir a forma de uma aliança informal e frouxa — que provavelmente seria frágil.

Macron disse que não trabalharia com o partido de extrema esquerda France Unbowed, mas que poderia estender a mão aos Socialistas e aos Verdes. Eles podem se recusar a aceitá-la, no entanto.

Na semana passada, seu governo suspendeu um decreto que diminuiria os direitos dos trabalhadores aos benefícios de desemprego, o que foi interpretado como um gesto em direção à esquerda.

Se não conseguir fazer um acordo político, Macron poderia nomear um governo de especialistas não afiliados a partidos políticos. Tal governo provavelmente lidaria principalmente com os assuntos cotidianos de manter a França funcionando.

Para complicar a situação: qualquer uma dessas opções exigiria aprovação parlamentar.

A esquerda foi dilacerada por divisões nos últimos meses, especialmente após o ataque do Hamas a Israel em 7 de outubro.


Uma olhada em Gaza enquanto as negociações de cessar-fogo são retomadas na guerra de 9 meses entre Israel e o Hamas

03:13

A France Unbowed foi duramente criticada por outros esquerdistas mais moderados por sua posição sobre o conflito. Líderes de extrema esquerda condenaram firmemente a conduta de A guerra de Israel com o Hamas e acusou-a de perseguir genocídio contra palestinos. Eles enfrentaram acusações de antissemitismo, que negam veementemente.

Os socialistas concorreram de forma independente nas eleições da União Europeia no mês passado, conquistando cerca de 14% dos votos, enquanto a França Indomável obteve menos de 10% e os Verdes 5,5%.

No entanto, a decisão de Macron de convocar eleições legislativas antecipadas levou os líderes de esquerda a concordar rapidamente em formar uma nova coalizão, a Nova Frente Popular.

A plataforma conjunta promete aumentar o salário mínimo de 1.400 para 1.600 euros (US$ 1.515 para US$ 1.735), retirar a reforma previdenciária de Macron que aumentou a idade de aposentadoria de 62 para 64 e congelar os preços de produtos alimentícios essenciais e energia. Tudo isso deixou os mercados financeiros preocupados.

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button