News

A batalha pelo futuro da França está apenas começando

Uma coalizão de partidos de esquerda, a Nova Frente Popular (NFP), conquistou o maior número de assentos na Assembleia Nacional Francesa, evitando uma vitória esmagadora do partido de extrema direita Rally Nacional (RN) nas eleições legislativas.

A vitória histórica de domingo da aliança esquerdista – composta por socialistas, verdes, comunistas e a França Insubmissa de Jean-Luc Melenchon, profundamente divididas – não foi fácil. Desde sua formação no mês passado, o NFP enfrentou uma enxurrada de vitríolos, tanto das elites centristas quanto da extrema direita, e foi demonizado como um perigo para o futuro da república. O ambiente da mídia também foi profundamente hostil com a desacreditada teoria da ferradura – de que a extrema direita e a extrema esquerda estão mais próximas uma da outra do que qualquer uma delas do centro político – dominando o discurso em torno das eleições.

Marine Le Pen e seu protegido, o presidente da RN, Jordan Bardella, passaram as semanas que antecederam as eleições tentando completar a reformulação de seu partido como o novo “centro-direita” e classificando o NFP como os verdadeiros “extremistas”. A aliança de esquerda e especialmente Melenchon foram acusados ​​de antissemitismo por seu apoio à Palestina, enquanto a RN — um partido fundado por um negador condenado do Holocausto — foi reformulada como uma força forte contra o antissemitismo devido à sua postura pró-Israel.

A ocultação do legado racista do RN e a demonização do NFP como “antissemita” foi tão extensa que a narrativa predominante na mídia após o primeiro turno em 30 de junho foi que uma vitória da esquerda seria tão prejudicial, se não mais, do que uma da extrema direita.

Com o presidente centrista Emmanuel Macron já tendo esbatido a linha entre o centro e a direita ao assumir uma variedade de políticas autoritárias codificadas pela direita nos últimos anos, parecia que as condições estavam maduras para o RN completar a sua reabilitação como um partido de direita e finalmente assumir o controlo do Parlamento francês.

E, no entanto, apesar das pesquisas preverem uma vitória clara do RN, o eleitorado francês mais uma vez rejeitou as propostas de extrema direita de Le Pen no domingo, confiando, em vez disso, na esquerda.

O NFP ficou em primeiro lugar, conquistando 182 assentos, seguido pelo partido centrista e neoliberal Ensemble de Macron, que garantiu 163. O RN de Le Pen e Bardella conseguiu apenas 143, o que os deixou sem um caminho real para formar um governo.

A noite da eleição foi dramática, com apoiadores do RN em lágrimas e muitos jornalistas cobrindo as eleições aparentemente lutando para compreender os resultados entregues pelo povo francês. Então, onde tudo deu errado para o RN?

A nomeação de Bardella, então com 26 anos, como presidente em 2022 foi o início de uma nova era para o RN. Bardella incorporou muitas qualidades que entusiasmam a extrema direita: juventude, hipermasculinidade e origem imigrante combinadas com uma postura dura contra a imigração, reforçada pelo habitual discurso “anti-woke”. Ele promoveu habilmente uma agenda de extrema direita, opondo-se aos direitos ao aborto, espalhando a islamofobia e demonizando os imigrantes enquanto se vendia como um operador político convencional. Mais importante, ele tentou apagar a história antissemita do partido e as visões neonazistas prevalentes entre sua base central, oferecendo apoio incondicional ao governo de extrema direita de Israel e sua sangrenta guerra em Gaza. Ele aproveitou as falhas e tendências autoritárias do governo centrista, apresentando seu partido como convencional e aumentando rapidamente sua influência política. O flerte de Macron com a extrema direita políticascomo proibições de mídia social durante protestos, ajudaram significativamente os esforços de Bardella para apresentar o movimento que ele lidera ao lado de Le Pen como representante do populismo patriótico e convencional.

Seu trabalho para elevar o perfil de seu partido culminou com o RN garantindo decisivos 31% dos votos nas eleições para o Parlamento Europeu do mês passado e ganhando a maior porcentagem de votos na primeira etapa das eleições parlamentares nacionais convocadas por Macron em resposta.

Mas quando chegou o segundo turno das eleições, e um governo francês liderado pela RN se tornou uma possibilidade real, o eleitorado deixou claro que não quer que a extrema direita, por mais normalizada e treinada pela mídia, assuma o comando do país. Além disso, ao mudar seu apoio para a coalizão de esquerda, deixou claro que não assina a teoria da ferradura nem compra a narrativa de que criticar Israel e sua guerra em Gaza é antissemita ou odioso.

No domingo, Mélenchon e seus novos aliados na esquerda francesa, sem dúvida, marcaram uma vitória monumental. Eles demonstraram que é a esquerda e sua demanda sem remorso por reformas significativas e justiça social, e não ofertas centristas de “mais do mesmo”, que é o antídoto para a crescente popularidade da extrema direita. No entanto, é prematuro comemorar.

O RN ainda conseguiu garantir bem mais de 100 assentos – mais do que já teve. A esquerda não tem maioria para formar um governo por conta própria, o que significa que há turbulência política no futuro imediato. Uma vez que o governo seja formado, o RN pode não estar nele, mas certamente terá uma voz mais forte no parlamento. Há todos os motivos para acreditar que o partido fará uma luta ainda mais forte em eleições futuras.

No entanto, a esquerda ainda se depara com uma oportunidade importante e imperdível.

O eleitorado francês deixou claro que se cansou da governança centrista e ideologicamente ambígua oferecida por Macron. Foi o fracasso do presidente francês em consertar a economia e as políticas autoritárias que normalizaram a extrema direita que empurraram muitos eleitores franceses para os braços da RN. Agora, os eleitores rejeitaram o que a RN está oferecendo, e a esquerda tem uma chance real de promulgar sua agenda e traçar um novo caminho para a França com base na justiça social, no cuidado com o meio ambiente e em uma política externa alinhada às visões e valores do povo francês.

A plataforma do NFP inclui aumentar o salário mínimo mensal, reduzir a idade legal de aposentadoria de 64 para 60, construir um milhão de novas unidades habitacionais acessíveis em cinco anos e congelar os preços de necessidades básicas como alimentos, energia e gás. O estado também cobriria todos os custos associados à educação das crianças, incluindo refeições, transporte e atividades extracurriculares — tudo financiado por impostos maiores para os mais ricos. A aliança esquerdista também prometeu se solidarizar com os palestinos e pôr fim à confusão do atual governo francês entre antissemitismo e críticas a Israel e seu governo de extrema direita.

A implementação desta agenda ambiciosa poderia restaurar o equilíbrio do sistema político francês, agir como uma verdadeira força contrária de longo prazo contra a extrema direita e pavimentar o caminho para um futuro de esquerda em um país que precisa se recuperar urgentemente do neoliberalismo de Macron. Do jeito que está, a esquerda agora tem o mandato claro para liderar e, esperançosamente, o centro não obstruirá as forças de esquerda de formarem uma coalizão, permitindo que Mélenchon guie a França em direção à cura de suas divisões internas.

As opiniões expressas neste artigo são do autor e não refletem necessariamente a posição editorial da Al Jazeera.

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button