News

Novo PM Keir Starmer nomeia melhor equipe após prometer “reconstruir” o Reino Unido

Keir Starmer começou a trabalhar como novo líder da Grã-Bretanha na sexta-feira, nomeando sua equipe ministerial após a vitória esmagadora do seu partido Trabalhista de centro-esquerda nas eleições gerais, encerrando 14 anos de governo conservador.

Starmer nomeou Rachel Reeves como a primeira mulher ministra das Finanças do Reino Unido e nomeou David Lammy como secretário de Relações Exteriores após sua vitória eleitoral, tornando-se o primeiro primeiro-ministro trabalhista desde Gordon Brown em 2010.

Multidões de ativistas trabalhistas agitando bandeiras se alinharam em Downing Street enquanto Starmer prometia “reconstruir” o Reino Unido depois que o chefe de estado, o rei Carlos III, o convidou para formar um governo durante uma reunião no Palácio de Buckingham.

“Agora, nosso país votou decisivamente pela mudança, pela renovação nacional e pelo retorno da política ao serviço público”, disse o homem de 61 anos em seu primeiro discurso como primeiro-ministro.

“O trabalho de mudança começa imediatamente, mas não tenha dúvidas, reconstruiremos a Grã-Bretanha.”

‘Desculpe’

Um sombrio Rishi Sunak admitiu a derrota durante uma noite tórrida para seus conservadores, que ceifou a vida de pelo menos 12 de seus colegas seniores do gabinete — e de sua antecessora Liz Truss.

Seu desastroso mandato de 49 dias efetivamente selou o destino dos conservadores com o público dois anos atrás, quando seus cortes de impostos não financiados assustaram os mercados e derrubaram a libra.

Antes de deixar Downing Street pela última vez como primeiro-ministro, Sunak pediu desculpas ao público e revelou que deixaria o cargo de líder conservador assim que os arranjos formais para um sucessor estivessem prontos.

O Partido Trabalhista ultrapassou as 326 cadeiras necessárias para garantir a maioria geral na Câmara dos Comuns, com 650 assentos, às 04h00 GMT, com o resultado final esperado para sábado.

Às 17h00 GMT de sexta-feira, o partido havia conquistado 412 cadeiras na Câmara dos Comuns, restando apenas um resultado a ser declarado, o que lhe dá uma maioria de 174.

Os conservadores conquistaram apenas 121 cadeiras — um recorde de baixa — com o voto da direita aparentemente dividido pelo partido anti-imigração Reform UK, de Nigel Farage, que conquistou cinco cadeiras.

Em outro impulso para os centristas, o partido menor da oposição, o Partido Liberal Democrata, desbancou o Partido Nacional Escocês como o terceiro maior partido.

Reação mundial

Os resultados contrariam uma tendência entre os aliados ocidentais mais próximos da Grã-Bretanha, com a extrema direita na França de olho no poder e Donald Trump parecendo pronto para retornar aos Estados Unidos.

Os líderes europeus nos parabenizaram, incluindo o chanceler alemão Olaf Scholz, que disse que Starmer seria um primeiro-ministro “muito bom e muito bem-sucedido”.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, disse que os dois países “continuarão sendo aliados confiáveis ​​nos bons e maus momentos”.

O ex-presidente dos EUA, Donald Trump, parabenizou seu admirador Farage por vencer a eleição para o parlamento do Reino Unido em sua oitava tentativa, mas notavelmente esqueceu de mencionar Starmer.

Do lado de fora da movimentada estação Waterloo, em Londres, o oficial de engajamento Ramsey Sargent, de 49 anos, chamou a eleição de “importante”.

“Tem sido muito difícil nos últimos meses e anos. Estou realmente animado para ver o que acontece a seguir”, disse ele à AFP.

‘Catastrófico’

Sunak apresentou sua renúncia ao rei logo após retornar a Londres de seu distrito eleitoral rural no norte da Inglaterra, onde a profundidade da derrota de seu partido rapidamente se tornou aparente.

O pior resultado eleitoral anterior dos conservadores foi de 156 cadeiras em 1906. O ex-líder William Hague disse à Times Radio que este foi “um resultado catastrófico em termos históricos”.

Mas Tim Bale, professor de política na Queen Mary, Universidade de Londres, disse que “não foi tão catastrófico quanto alguns previam” e que os conservadores agora precisariam decidir a melhor forma de reagir.

O defensor do Brexit, Farage, não escondeu seu objetivo de assumir o partido.

“Há uma lacuna enorme na centro-direita da política britânica e meu trabalho é preenchê-la”, disse ele após uma vitória confortável em Clacton, no leste da Inglaterra.

Lista de afazeres

O ressurgimento do Partido Trabalhista é uma reviravolta impressionante em relação a cinco anos atrás, quando o ex-líder de extrema esquerda Jeremy Corbyn levou o partido à sua pior derrota desde 1935 em uma eleição dominada pelo Brexit.

Starmer assumiu no início de 2020 e começou a mover o partido de volta para o centro, expurgando as disputas internas e o antissemitismo que lhe custaram apoio.

Pesquisas de opinião colocam consistentemente o Partido Trabalhista 20 pontos à frente dos Conservadores desde a renúncia de Truss, dando um ar de inevitabilidade sobre uma vitória trabalhista — a primeira desde Tony Blair em 2005.

Mas, à medida que a contagem se aproximava do fim, a diferença era de cerca de 11%, com o Partido Trabalhista parecendo destinado a ganhar menos votos do que em 2019, refletindo em parte uma menor participação.

Starmer enfrenta uma situação assustadora, desde um crescimento econômico anêmico até serviços públicos sobrecarregados e subfinanciados, além de famílias com dificuldades financeiras.

Ele prometeu o retorno da integridade política, após um período caótico de cinco primeiros-ministros conservadores em 14 anos, escândalos e corrupção.

(Esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é gerada automaticamente a partir de um feed distribuído.)

Source

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button